segunda-feira, 9 de outubro de 2017

O veneno político e a esquizofrenia social

A política envenenou o Brasil

   
  Tínhamos até recentemente um país majoritariamente desinteressado em política, que se limitava a manifestar alguma opinião política aqui e acolá diante de uma notícia mais enfatizada pelos jornais, sobre tudo do Jornal Nacional. Não muito mais do que isso. E esse era o envolvimento médio do cidadão brasileiro em política. Um envolvimento pequeno, é verdade, mas era muito mais saudável. A política envenenou o Brasil.
   O país foi "politizado". Politizado de cima para baixo, como sempre acontece neste tipo de fenômeno social. E o foi através de uma politização de novo tipo, mais radical do que em qualquer outro período da História do Brasil, mais abrangente e agora totalmente esquizofrênica. Os militantes de todos os lados não tem a mínima ideia do que estão dizendo, do que estão fazendo, lutam contra inimigos imaginários, mudam de opinião de forma abrupta e com frequência. A sociedade foi contaminada por discussões sem pé e nem cabeça resultado direto do veneno incutido na sociedade, um veneno que amortece as faculdades mentais, aguça o ódio, o radicalismo e a fantasia, que distorce a percepção da realidade transformando o ser humano em fera, em besta, em animal, num animal facilmente adestrável e iludível, um mongoloide, um troglodita, um monstro.

   Um veneno muito bem preparado e capaz de atingir mesmo as mentes mais aguçadas e preparadas, que tal qual ao grosso da população começam a disparar coisas sem o menor sentido como se fossem uma verdade absoluta, mantendo uma espécie de atitude cínica inconsciente que as transformam no tipo de bestas mais perigosas por que têm a capacidade de formar opinião e reunir seguidores. 
   Um veneno que surte efeito fácil e fortemente justamente por que é aplicado num país atrasado em todos aspectos, sob todas as perspectivas. E que tem ainda como sintoma fazer com que o país parta de uma condição de atraso para uma caminhada em marcha ré, cada vez mais pra trás, transformando toda a discussão num sem fim de aberrações anacrônicas que fazem parecer como se vivêssemos eternamente no século XX (o século passado) onde as estrelas dos discursos são pensadores e ideias do século XIX (o século retrasado) e seus continuadores.

   A política envenenou o Brasil e o antídoto para o veneno é assumir a sua culpa, é tomar consciência de que você foi enganado (de novo), que atacou pessoas que não deveria e defendeu ideias mentirosas; o antídoto é assumir que você foi iludido mais uma vez, que foi otário, que mentiu, que ludibriou, que trapaceou em seus discursos em nome de ideias e pessoas que não valem nada, que não ligam para você, por que em determinado momento aquelas ideias e pessoas disseram coisas que foram ao encontro de seus anseios mais orgulhosos, massagearam o seu ego.

   O antídoto é assumir que tudo foi feito por orgulho e por interesse pessoal e nada foi realmente feito em nome de um país melhor, de uma nação mais evoluída ou avançada. O antídoto é assumir que vc esteve errado o tempo todo e que longe de estar trabalhando para uma sociedade melhor, vc estava totalmente cego de vaidade e orgulho propalando ideias sem sentido e sem lógica, mera propaganda político-ideológica que vc começou a repetir, compartilhar, propalar, sem uma apuração mais detalhada ou aprofundada do que realmente era aquilo, por que aquilo parecia ser o melhor para você, única e exclusivamente, e para e seus interesses mesquinhos. 
   O antídoto é cair na real e assumir que vc foi bobo. Mas pra isso vc precisa deixar o seu orgulho de lado. Entretanto, esse veneno faz muito bem o seu efeito por que foi inoculado em uma sociedade cujo os valores orbitam o orgulho de seus membros. Tudo o que vc faz é vaidade e orgulho. E orgulho é o anseio de provar para os outros que vc é determinada coisa que vc acredita ser ou que querem que vc acredite que seja. Orgulho sãos ilusões que vc crê verdadeiras por que as ama. 



   No atual contexto vc está preparado para tomar uma atitude inteligente? Fazer algo em prol de alguém que não seja você mesmo? Ou vc é orgulhoso demais pra isso? Ou vc é mesmo só mais um hipócrita?

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Dicionário político

Tudo o que você precisa saber para parar de fazer feio nas redes sociais


Capitalismo - sistema econômico muito bom em produzir riquezas mas péssimo em distribuir; deixando a população idiotizada o sistema facilita a vida dos mais ricos e dificulta as coisas para os mais pobres;

Comunismo - um fantasma que rondou a Europa no século XIX e que hoje ronda a cabeça de pessoas desinformadas, ingênuas, mal instruídas ou mal intencionadas;

Constituição - um monte de leis escritas de um jeito confuso para que o pobre seja punido mesmo sem ter feito nada e o rico saia ileso independentemente do que faça;

Democracia - governo da maioria. Como a maioria do povo é idiotizada e manipulada pelos ricos e os seus partidos
políticos podemos dizer que é o governo dos idiotas;

Direita - defende a diminuição ou eliminação do estado para que a corrupção fique somente nas mãos dos empresários;

Ditadura - governo daqueles que não sabem perder. Governo daqueles que incapazes de conquistar o poder por via democrática o tomam a força;

Ditadura2 - aquele momento na História onde existem proibições ostensivas ou veladas em relação ao que se pode dizer ou fazer. Tal qual acontece nos dias de hoje;

Economia - um complexo blablablá, que existe para criar mentiras científicas que justifiquem o fato de os ricos ficarem cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres;

Esquerda - defende a diminuição ou eliminação da iniciativa privada para que a corrupção fique somente nas mãos do estado;

Executivo - um dos três poderes constitucionais; representado pelo presidente da república, o indivíduo que tem como função viajar e fazer alianças e manobras políticas para se manter no poder;

Imprensa - espaço dedicado a divulgar mentiras e para fazer estas ganharem força;

Intervenção Militar - ação política defendida por daqueles que não tem a mínima ideia do que está se passando;

Feminismo - movimento social que acredita que tudo é machismo menos o feminismo, seja lá o que isso for;

Judiciário - um dos três poderes constitucionais; poder que se baseia em mentiras monumentais para manter as coisas como estão e safar os ricos dos seus crimes;

Legislativo - um dos três poderes constitucionais; tem como função fazer leis para facilitar a vida dos ricos e o desvio de verbas públicas;

Liberalismo - uma ideia do século XVIII que não tem nada a ver com a realidade do século XXI, mas pessoas desinformadas, ingênuas, mal-instruídas ou má intencionadas ainda depositam fé nela;

Manifestação - grupo de pessoas levadas às ruas por partidos políticos para fazer com que esses partidos ganhem força e se elejam para depois roubar dessas pessoas que os apoiaram nas ruas;

Militante - massa de manobra, gado, adestrado, rebanho, aquele que não pensa por si, quem não tem ideias próprias, zumbi;

Monarquia - governo defendido por aqueles que estão no último estágio antes daqueles que vão começar a defender o retorno às cavernas;

Partido político - grupo de pessoas que se unem em prol de conquistar o maior número possível de cargos públicos para se beneficiarem com o maior número possível de ações de corrupção;

Redes Sociais - espaço público para o debate das notícias de política do Jornal Nacional, para atacar ideologias políticas e para puxar saco de políticos locais;

República - um nome bonito que se utiliza quando se quer que tudo fique exatamente do mesmo jeito que está;

Socialismo - sistema econômico muito bom em distribuir riquezas mas péssimo em produzir. Ideia velha, utopia fracassada;

Superior Tribunal Federal - os 12 membros desse juri usam capinha cosplay e falam como se sua boca fosse a calda de um pavão e assim garantem que tudo fique exatamente do jeito que está e que os ricos tenham sempre mais uma chance de escapar ilesos.


terça-feira, 27 de junho de 2017

9 obscuros documentários sobre música brasileira

Rock, Metal e MPB


  Esses documentários são obscuros por serem bem pouco conhecidos. São produções independentes e trabalhos de conclusão de curso. Documentários que jamais foram exibidos na TV e que estavam perdidos pela internet e só recentemente foram postados no Youtube. 
  Se você é fã de música e de documentários, como eu, vai apreciar as informações e curiosidades contidas em cada um deles, irá aprender bastante e se divertir. Irá conhecer histórias como a de Tyto Livi, um certo louco do oeste de Santa Catarina que lançou em 1977 um dois primeiros discos independentes brasileiros que se tem notícia.

História do Clube da Esquina - a MPB de Minas Gerais




Noel Rosa - Meu Luto é a Saudade



O Tropicalismo e o Anti-tropicalismo



Os Americanos na Festa do Pinhão (Post punk doc)



Eu Tenho Pressa - A Trajetória da Banda Devotos




História do Rock Catarinense



O Império do Metal em Santa Catarina



Curupira: Onde o Pai Cura e o Filho Pira



Repolho - Música Sem Parar



Todos esses vídeos estão no canal do Steve Jobs Zombie. Para ficar por dentro das novidades do canal e conferir ainda outros vídeos de humor, mistério, ufologia, filosofia e etc... confira o canal aqui. INSCREVA-SE!

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________





Publicado originalmente em 20/07/16

terça-feira, 30 de maio de 2017

Como a Igreja Católica controla a sua mente

O Império Romano ainda caminha sobre a Terra

   Todo o debate intelectual brasileiro, toda a formação intelectual no país é dirigida pela Igreja Católica direta ou indiretamente. Não há um só discurso que circula no mainstream da acadêmia, dos meios de comunicação ou das redes sociais que não esteja de acordo com os limites de pensamento determinados pela Igreja Católica, que antes de ser uma instituição religiosa, é uma instituição de controle social e de poder, sendo o Cristianismo somente uma das formas de controle e exercício desse poder, bem como uma fachada que esconde os reais interesses mundiais da milenar instituição.

   Afirmações como essas soam bastante estranhas, obviamente, mas se baseiam em uma longa pesquisa e em muitas reflexões, que tentarei resumir aqui num texto que não pretender de forma alguma afirmar nada, mas sim convidar o leitor a pesquisar e a refletir sobre alguns pontos que provavelmente jamais refletiu, justamente pelo fato de que algumas reflexões, ao que me parece, não nos são permitidas, precisamente por que há um controle sobre o que se pode dizer e pensar. Um controle que não é sutil, mas duro e rigoroso, porém, que é feito de uma forma tão engenhosa que sobre ele nem sequer suspeitamos, e quando o suspeitamos não somos capazes de enxergar aquilo que está imediatamente diante dos nossos olhos.
   Caras como Nietzsche e Foucault inspiram-me aqui nessas linhas, então para aqueles que gostam de expressar ódio quando não concordam com algo, sugiro primeiro verificar o quanto o pensamento desses caras bate com o que digo aqui. 

A Igreja Católica é Uma Continuação do Império Romano - O imperador Constantino juntamente com os sacerdotes e a elite romana de seu tempo perceberam que era muito mais efetivo e tranquilo o domínio sobre povos que comungavam da mesma religião que os seus dominadores, do que o domínio sobre nações com crenças e culturas muito diversas, e assim conceberam a ideia de criar uma religião (Jesus nunca existiu) para todo o império que promovesse um senso de união e que aproximasse os súditos de seu imperador com um laço poderoso, um laço sagrado, divino. A ideia deu muito certo, e com o fim do Império Romano da Antiguidade dá-se início a uma nova fase do Império Romano que continua o seu domínio agora não mais diretamente através da força, mas sim através da religião e da educação, colocando-se acima dos monarcas, decidindo quem pode ou não ser rei; usando esses reis submissos em ações belicosas ao interesse do imperador, que agora é chamado de Papa.

   Essa Igreja Católica Apostólica Romana passa a ser a instituição que determina o que é a religião no ocidente e o que é religiosamente apropriado para cada classe social e ao mesmo tempo o que é educacionalmente apropriado para cada classe.
   Ao longo dos anos aperfeiçoa a sua forma de domínio e de controle social, tendo inclusive de enfrentar cismas e reformas que a obrigaram a um constante refinamento de seu discurso e de suas práticas para que ao mesmo tempo que atingisse os seus objetivos não perdesse a sua legitimidade.
   Uma dos braços fortes da Igreja Católica neste sentido são as suas inúmeras ordens religiosas, que para o católico comum são só agrupamentos religiosos que tem como fim a busca de uma aproximação com Deus, através de estudos, rezas, penitências e trabalhos de caridade. Contudo, estas ordens religiosas são de fato centros de formação intelectual altamente capacitados, que durante vários séculos foram as únicas instituições responsáveis por preservar o conhecimento e produzir novas ideias. E atualmente seguem sendo determinantes neste sentido.

  Queria sublinhar aqui ainda o fato de a língua oficial da Igreja Católica ter sido o latim até 1962, quando em um encontro de cardeais do mundo todo que ficaram três anos debatendo em latim o futuro da Igreja, o Concílio Vaticano II (foto), determinou que o latim não era mais necessário e que os padres não precisavam mais rezar missas no idioma romano. Pergunte aos seus pais ou avós, eles provavelmente assistiram missas em latim. Note também que Roma só deixou de ser oficialmente sede do império católico romano em 1929, quando o governo italiano concedeu o direito de se estabelecer uma cidade-estado exatamente onde esteve sediada durante quase 1500 anos, e que hoje é conhecida como o menor país do mundo, a cidade do Vaticano. 

Ordens Religiosas - As ordens religiosas católicas são poderosíssimas e podemos ver a sua forte presença como instituições educacionais, ou seja, instituições católicas que tem como função educar a população, fazendo com que a educação dessas populações estejam sempre de acordo com o interesse da Igreja Católica. As mais antigas e tradicionais escolas do Brasil são todas da Igreja Católica.
   Logo após o descobrimento do Brasil os jesuítas (foto: filme A Missão/1986) vieram pra cá formar escolas para educar os índios e fazer experiências sociais e epistemológicas com os indígenas, afim de conhecer as suas capacidades cognitivas e para garantir que os povos do novo continente fossem a partir de então educados de acordo com os ditames da Santa Sé. Isso marca o início da educação católica no Brasil. 

   As escolas católicas ainda hoje estão entre as mais conceituadas escolas do país, e são pela sua história, pela qualidade do seu ensino e estrutura que oferecem, as escolas referência para as demais instituições de ensino, que de uma forma ou de outra se pautam no ensino católico, ou seja, medem a sua qualidade e desempenho tendo como base aquilo que fazem as escolas católicas.
   É bastante importante notar que as escolas católicas não se dirigem a população mais carente. Cristo ensinou que deveríamos cuidar e ajudar aos mais necessitados, e é isso que a Igreja Católica prega, mas as suas escolas são para as classes mais abastadas, são nelas que estudam os futuros advogados, médicos, juízes, políticos, empresários e etc. É um ensino tradicionalmente voltado para as elites, voltado para fazer com que as elites pensem, ajam e creiam naquilo que a Igreja Católica estipula como o correto para elas; e tenha certeza que os seus critérios não são cristãos, pois se o fossem essas escolas seriam destinadas aos pobres. Educar é controlar a mente, e ter o domínio sobre o pensamento da elite é como determinar para uma banda qual será o repertório do baile, enquanto o povo, que não faz parte da banda e não entende de partitura, simplesmente dança conforme a música. São inúmeras as escolas com nome de padres, freiras e santos voltadas para educar os filhos dos maçons e com mensalidades caras demais para os filhos dos verdadeiros pedreiros estudarem. (A palavra "maçom" significa pedreiro.)

   Além de inúmeras escolas espalhadas por todo o mundo, a Igreja Católica também fundou universidades de referência, tanto na Idade Média, na Modernidade, como em nossos dias. A PUC, Pontifícia Universidade Católica, com campus em diversas  cidades brasileiras importantes, é uma das mais respeitadas universidades do país, sendo que o seu curso de Filosofia é considerado o melhor do Brasil. E isso nos permite concluir que sendo a filosofia ensinada pela universidade católica PUC a melhor do Brasil, ela serve de modelo de ensino para as demais universidade do país, incluindo muitas outras universidades católicas. Temos assim que o pensamento católico, a filosofia católica, é o parâmetro do pensamento acadêmico brasileiro, sendo portando o pensamento brasileiro um pensamento católico, ou pelo menos muito católico, podemos dizer.
   As escolas católicas servem de parâmetro para o ensino nas demais instituições de ensino e a universidade católica serve de parâmetro para o ensino superior. Soma-se a isso o fato de inúmeros professores formados em instituição católicas tornarem-se docentes em escolas não católicas. A classe média, a classe intelectual no país, é pautada pela Igreja Católica, consequentemente o pensamento dominante no país está de acordo com os interesses da Igreja Católica, é controlado imperialisticamente pela Igreja Romana.
   No Chile, existe até um importante time de futebol chamado de Universidad Católica, o que ilustra também o alcance do poder da instituição e do seu ensino.

Intelectuais Católicos - Existe um sem número de influentes intelectuais ligados a Igreja Católica, que professam a fé católica ou que são formados em instituições católicas. Nas redes sociais, por exemplo, hoje os principais intelectuais comentados e compartilhados são católicos.
   É importante notar que o domínio da Igreja Católica não significa a imposição de um pensamento único, mas a fomentação e o privilegiamento de certos discursos, mesmo que antagônicos, em detrimentos de outros que são suprimidos ou ridicularizados.
   Leandro Karnal (foto) é um dos intelectuais mais respeitados do país hoje, mas veja, ele se formou na Unisinos, uma instituição jesuíta, foi seminarista, quase virou também um jesuíta, e numa entrevista revelou que o intelectual que mais lhe influenciou foi o jesuíta Michel de Certeau. Leandro Karnal é muito Católico. Mesmo que ele seja um crítico da instituição, não há uma só palavra que ele diga que não esteja de acordo com o que a educação católica deixa passar, ele está aprovado, o que ele diz pode, por que o que ele diz é católico, está de acordo com o ensino católico, com a forma de pensar católica.
   Um dos poucos críticos de Karnal é Olavo de Carvalho, um católico carola, ultraconservador, que tem um discurso bem diferente e até antagônico ao de Karnal, mas ainda assim um pensamento católico, nutrido e nascido dentro daquilo que a Igreja Católica determina como aceitável para um pensador por ela formado e que está ao seu serviço, como é o caso aqui. Olavo de Carvalho a serviço da instituição romana foi de longe um dos maiores responsáveis pela cisão político-ideológica que vive o país atualmente, e sobre isso você encontra mais informações acessando a este post.

   Mário Sergio Cortella (foto) outro intelectual respeitadíssimo e muito católico. Tentou ser sacerdote da Ordem Carmelitana Descalça e desistiu para estudar filosofia na católica PUC. O seu jeito racional de pensar e se expressar parece que o qualifica como alguém cético demais para ter aluma filiação religiosa, mas não esqueçamos da escolástica, a escola de pensamento católico medieval, extremamente lógica e influente, assim como a sua tradicional teologia.
   Quando digo aqui que esses intelectuais são católicos, não quero dizer que os seus discursos estão totalmente de acordo com o que ensina a Igreja Católica do ponto de vista religioso, não. A religião é uma fachada como disse, uma justificativa para a sua existência, mas não a sua real motivação. Intelectualmente a Igreja Católica mantem uma postura que contradiz em muito seus ensinamentos religiosos. Por exemplo, a teoria do Big Bang, que contraria totalmente a Bíblia, foi criada pelo Padre belga Georges Lemaître. Para o pensamento católico e seu ensino tanto faz se existam contradições em relação aos seus dogmas, pois em relação a esses a própria atividade da Igreja vai contra. 

O Poder na Mídia - A importância da Santa Sé para o pensamento e a pesquisa científica fica sempre pouco evidente devido a propaganda massiva que ela faz sobre as suas virtudes religiosas. Essa propaganda é disfarçada como notícia, no entanto, se prestarmos atenção veremos que o que os jornais fazem é propagar uma imagem da Igreja como uma instituição preocupada com os destinos da humanidade, com os pobres e com as guerras, pura propaganda. Toda semana o Jornal Nacional trás algo sobre o Papa, diariamente em muitas oportunidades, falando de seus discursos bondosos, do risco que corre o bom homem em certas visitas que faz, dos santos que canoniza e etc. Mas nunca diz que o Papa Francisco é um jesuíta e que os jesuítas são um exército que obedece cegamente aos ditames de um general, conhecido entre eles como o Papa Negro, e que são capazes de qualquer coisa para garantir que os desígnios da igreja estejam sendo cumpridos, infiltrando-se aonde for preciso para que o discurso que prevaleça seja aquele que é o de interesse da Igreja. Como fez aqui no Brasil o jesuíta espanhol Padre Quevedo, que bradava ceticismo na TV a respeito de práticas que os círculos internos e ocultos da igreja longe de condenar praticam, e estou falando de magia, astrologia, evocações e etc.
 
  A mídia faz propaganda da Igreja Católica não por ser simpática a ela, mas por que estão juntas, compactuam, tem interesses em comum, são ambas instituições de controle e poder, de manipulação de massas, fazem parte de um mesmo clube, de uma mesma seleta elite. Muita grana está em jogo aqui.
  Caberia aqui ainda falarmos sobre as rádios e TVs católicas, sobre os padres bonitões, os padres cantores, uma parte da Igreja mais voltada para o povo, que seduz e reforça a imagem de instituição cristã, popular e preocupada com o bem e a caridade, só engodo. O negócio do Vaticano é dinheiro e poder, sem escrúpulos ou ética, sem dogmas e sem se importar se suas práticas ocultas ofendem os ensinamentos de Jesus Cristo e a fé de seus seguidores.

Dinheiro e Poder - A Igreja Católica está envolvida com lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, pedofilia, corrupção política, mercado financeiro, máfia e toda sorte de coisas que chocaria mesmo os cristãos menos devotos.
   Sitei aqui os jesuítas algumas vezes, mas são inúmeras as ordens católicas atuantes, e entre essas temos, além das monásticas,  as de cavalaria, formadas por indivíduos ricos e influentes da sociedade, que são como redes maçônicas a serviço do Vaticano, semelhantes inclusive em suas práticas esotéricas, como é o caso dos Cavaleiros de Malta (foto), tão poderosos que possuem acento na ONU e seus membros tem direito a um passaport exclusivo como se fossem um país. Alguns pesquisadores dizem que a ordem está por trás da CIA. Contudo, por hoje ficamos por aqui.
   Um outro texto do blog que trás algumas revelações e reflexões sobre a Igreja Romana você pode conferir clicando aqui. E para saber mais sobre as forças que mandam no mundo pesquise sobre os bancos. Além do Vaticano existem outros grupos poderosos trabalhando para controlar a sua mente e todos estão ligados aos bancos. O Vaticano é dono e acionista de bancos também. 

quarta-feira, 1 de março de 2017

Excelentes vídeos sobre a filosofia de Nietzsche

O filosofo que ensinou os ricos a odiarem os pobres

O conteúdo deste post ainda está em construção, contudo, já disponibilizamos aqui esses dois excelentes vídeos sobre a obra de Friedrich Nietzsche, o polêmico e influente filósofo alemão. Confira: 



Os Americanos

Loading...